Lorena Borges sempre foi apaixonada por esportes. Passou por várias modalidades na escola e experimentou desde o futsal até o handebol, para o qual emprestou sua paixão por longos 13 anos. Até cruzar a com a corrida. Aí surgiu a Resistência Assessoria Esportiva, que Lorena fundou em Brasília. Confira!

20181215_071513“A Resistência surgiu em 2012. Sempre fui apaixonada por esportes e depois de anos de handebol decidi entrar no mundo da corrida. Então resolvi unir o útil ao agradável. Consegui reunir pessoas que queriam começar uma atividade ao ar livre ou que já corriam, mas precisavam de orientação profissional.

Sempre pratiquei esportes e acho que passei por quase todas as modalidades esportivas oferecidas na escola. Mas parei mesmo no futsal por uns três anos e em algum momento, enquanto jogava futsal, comecei a jogar handebol, que pratiquei por 13 anos. Participei de diversos campeonatos nacionais e internacionais. Quando o meu time acabou, procurei uma modalidade que se pudesse fazer sem gastar tanto dinheiro. Aí apareceu a corrida.

As primeiras alunas da assessoria começaram comigo sem jamais terem corrido ou participado de alguma prova de rua. Hoje, depois de seis anos, já colocaram na conta milhares de corridas. Entre elas, meias, maratona e até uma major, em Chicago.

20180811_082812_021_01Nos primeiros treinos eu ainda batia muita cabeça sobre como acompanhar os alunos ou sobre como arrumar as aulas. Com o tempo, essa organização veio naturalmente e hoje participamos de corrida dentro e fora do país, temos uma boa estrutura nas provas e vários alunos. Mas ainda estou procurando um jeito melhor de fazer a assessoria crescer.

Nosso foco é na corrida de rua e na qualidade de vida, através do convívio social e da atividade física. Acredito que os dois juntos geram motivação, fazendo com que os alunos consigam atingir os seus objetivos”.

A Resistência Assessoria Esportiva utiliza o SisRUN em sua gestão administrativa e no envio e acompanhamento de planilhas.

FB_IMG_1522767032411

Compartilhar:

137 Posts

Jornalista, pai e corredor. Vê a corrida como uma ferramente para fazer a vida fazer sentido. Não se preocupa em ser rápido, nem com a chegada. O que importa é o caminho...

Escreva uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *