O ano da redenção. É o que será 2020 para o empresário Claudionor Severino, morador de São Francisco do Sul-SC. Na verdade, mais um ano de redenção, por que assim tem sido desde 2016.

Aos 51 anos, perto de completar 52, Claudionor está numa jornada épica rumo a sua primeira maratona. Confira o depoimento deste atleta da equipe Studio Vida Ativa!

“Costumo dizer que a corrida foi um resgate. Ela me proporcionou resgatar o esporte em minha vida. Algo que sempre tive paixão, porém, antes, nunca pude dar a devida atenção como gostaria. Principalmente por ser de uma família que sempre trabalhou com comércio, aqui mesmo em Ubatuba, uma das belas praias de São Francisco do Sul. Por isso sempre tive que trabalhar nos finais de semanas e nos feriados.

Ou seja, o compromisso imposto pelo trabalho não permitiu a realização do sonho de praticar esportes, de correr! Depois veio minha própria empresa, com novos desafios e compromissos. Por fim a libertação!

Em 2016, aos 48 anos, um encontro comigo mesmo me fez entender que a hora era de ressignificar. Bingo! Daí em diante tudo mudou. Hoje com 51 quase 52 anos posso afirmar que sou um novo homem. Muito mais saudável e muito mais feliz!  É como diz minha Coach Aline Beatriz: ‘É Muito Mais Do Que Correr!’

Quando comecei, no segundo semestre de 2016, mal conseguia correr 500 metros. Não sabia coordenar movimento e respiração. Depois foi indo 1k, 2k, 3k…  quando vi já eram 5 10 15k e 21k. Hoje com muito orgulho posso dizer. Sou meio-maratonista! Rumo aos 42K se Deus quiser. Eu quero! E sobre esta minha evolução, gosto muito desta citação de Kara Goucher: “Reconheça todas as suas pequenas vitórias e superações. Eventualmente elas irão se somar e virar algo enorme e incrível”.

A decisão de ir além e virar um maratonista aconteceu exatamente no momento da chegada da minha primeira meia maratona. Estava tomando um isotônico e comemorando internamente. ‘Meu Deus! Eu Consegui! Muito Obrigado Senhor!’, foram as palavras que falei a mim mesmo. Agora quero fazer uma maratona inteira. E se possível, aqui mesmo em Florianópolis. E assim, será, em 30 de agosto: Maratona Internacional de Floripa.

Espero conseguir atingir meus objetivos da melhor forma possível. Tanto no físico como no mental. Pretendo num primeiro momento completar os 42k sub 4h e também melhorar meu tempo nas provas de menores distâncias. Tenho muita confiança nos profissionais que me acompanham. Coach Aline Beatriz e Diego Rodrigo.

Não foi fácil treinar, aliás foi impossível, quando era jovem e adolescente. Meus pais não me deixavam praticar esportes devido à rotina de trabalho. Mas tudo bem, sem ressentimentos, foram os melhores pais que puderam ter sido naquela época. Então hoje teria duas opções: sentar e ficar reclamando daquilo que não pude realizar ou CORRER atrás daquilo que queria ter feito antes e não consegui. Sem dúvida, correr, correr, correr atrás… Se possível algumas vezes na frente (risos…).

E a Aline tem sido de fundamental importância nesta jornada. Ela é muito profissional. Com ela você aprende que treinar é diferente de correr. Eu era um cara que não queria treinar nunca, tanto no fortalecimento como na própria corrida. Daí nasceu minha frase de guerra: ‘Ele só queria correr!’

A assessoria tem sido muito importante. Já foram várias provas de 5, 10, 15 e 21K. Alguns revezamentos e alguns pódios na categoria. Tudo sem que houvesse uma lesão sequer. Levo no peito isso. Gratidão resume!  

Algo que gosto de fazer é pensar na prova e na linha de chegada. Na noite que antecede a prova, ao deitar visualizo o percurso quando já conheço, quando não conheço imagino um. Fico criando estratégias e sempre visualizo o pórtico de chegada. Isso me fortalece! E uso esta força para ainda me tornar um ultramaratonista. Mas no tempo certo.

Com a corrida consegui equilíbrio físico, emocional, mental e espiritual. Acredito que para uma saúde integral, há a necessidade de uma harmonização, um equilíbrio entre todos os níveis do nosso ser.
No nível físico, vai depender de como você se alimenta, e a qualidade de vida que você leva. Cuidados que você tem com seu corpo, com o que ingere e com prática de exercício físico, por exemplo.
 
No nível emocional mental é o quanto você está aberto para prática do amor e da caridade. Inclusive amor e caridade para consigo mesmo.
 
O nível espiritual é a conexão com o nosso ser divino. Para alguns, anjo da guarda, para outros aquele que olha por ti e te protege, em todos os sentidos. Ainda que você não o veja, sabe que ele está lá. Olhando por você!”

Compartilhar:

159 Posts

Jornalista, pai e corredor. Vê a corrida como uma ferramente para fazer a vida fazer sentido. Não se preocupa em ser rápido, nem com a chegada. O que importa é o caminho...

Escreva uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *