A advogada paulista Melissa de Lima Martins, de 25 anos, está perto de realizar o sonho de correr sua primeira meia maratona. No próximo dia 5 de maio, em Santos, Melissa vai colocar seu coração na ponta do tênis e fazer valer que centímetro que correu desde 2012, quando começou a correr. Mas não é só a medalha de finisher que está em jogo. Confira!

Como começou o seu envolvimento com a corrida?

Em 2012, enquanto fazia cursinho pré-vestibular, tive Síndrome do Pânico. Mas antes das crises de ansiedade aparecerem, eu já fazia acompanhamento com psicóloga. Um dia ela disse que eu tinha duas opções: ou lutava contra as crises de ansiedade ou seria encaminhada para um psiquiatra. Eu me recusei a tomar remédio, não queria. Então ela me sugeriu correr para tentar diminuir a ansiedade. Comecei correndo na garagem da casa dos meus avós, depois criei coragem para correr no parque e finalmente na praia. Com a corrida, as crises começaram a diminuir. Me lembro que quando comecei a ir ao parque correr, eu ia mesmo com o coração acelerado pela ansiedade. A Síndrome do Pânico não durou nem duas semanas depois que comecei a correr.

 

Como tem sido sua evolução nas distâncias?

Sempre fui extremamente competitiva, principalmente comigo mesma. Conforme fui perdendo peso, fui aumentando meus próprios desafios. Fui colocando sempre 1 km a mais até conseguir ir de uma ponta a outra da praia. Mas sempre caminhava durante o percurso. Andava 1 minuto e corrida 2 ou 3. Agora, com acompanhamento de uma assessoria de corrida, estou indo tão longe como nunca imaginei… sem precisar caminhar durante o percurso!

 

Até decidir correr uma meia maratona…

Como eu nunca corri uma distância tão longa, nem durante meus treinos, me pareceu ser uma oportunidade de me desafiar a fazer algo que nunca fiz. Principalmente porque uma meia maratona exige compromisso, dedicação e superação durante o dia a dia.

melissa mp

Como tem sido a rotina de treinos? Conciliar com trabalho, família etc?

A corrida para mim é uma terapia, apesar de ser uma rotina cansativa e que exige abdicações, como deixar de lado a balada de sexta à noite para acordar cedo no sábado e ir treinar. Ainda assim, é a hora do meu dia em que tenho meu momento de paz. Correr me acalma, me torna mais paciente. O que influencia de forma muito positiva a minha relação com familiares e amigos. Especialmente no que diz respeito ao meu trabalho, porque conforme vou vencendo obstáculos na corrida, vou acreditando que sou capaz de fazer muito mais também dentro da profissão que eu escolhi e com que tanto sonhei.

 

A cabeça está trabalhando bem? E ansiedade?

Estou ansiosa sim para a meia maratona, mas de forma extremamente positiva. Não estou com medo de falhar ou fracassar porque confio nos profissionais da assessoria Márcia Proença que estão me acompanhando. A cada treino proposto, os professores me mostram que sou capaz sim de vencer esse desafio que é correr minha primeira meia maratona. Tenho em mim uma enorme vontade de cruzar a linha de chegada como uma pessoa que conseguiu fazer exatamente aquilo que se propôs: correr 21km.

 

Já parou para tentar imaginar como será a prova?

Dei uma olhadinha no percurso, mas nada além disso. Estou tentando focar nos treinos do dia-a-dia para não sofrer por antecedência. A única coisa que costumo pensar é o quanto estarei emocionada ao cruzar a linha de chegada depois de correr 21km. E penso muito na minha medalha, claro, não vejo a hora de tê-la no pescoço.

 

Faz ideia de como vai se sentir na chegada?

Com certeza estarei muito emocionada. Vencer uma distância tão grande, participar de um desafio tão grandioso significa muito para mim como pessoa. Significa que venci sozinha a Síndrome do Pânico e que sou capaz de fazer exatamente tudo quando existe dedicação e trabalho duro.

 

Como a corrida interfere no seu dia-a-dia? Humor, motivação, disciplina…

Sou outra pessoa quando corro. Durmo melhor, como melhor, fico menos ansiosa, tenho mais paciência… A corrida é uma inspiração em várias áreas da minha vida. Me motiva a ter mais disciplina com a dieta e está me ajudando a eliminar os quilos que ganhei durante a faculdade. Consequentemente tem influenciado minha autoestima, a forma como me enxergo. E não digo somente quanto à aparência física. Essa autoestima que falo é aquela necessária para ter força de vontade e acreditar que posso realizar meu grande sonho dentro da profissão que escolhi.

 

E em relação às corridas, tem algum sonho?

Correr minha primeira meia maratona. Correr minha primeira maratona. Correr a corrida do Ayrton Senna. Correr a São Silvestre. Viajar para correr pelo mundo. Correr as mais diversas distâncias nos mais variados lugares do Brasil e do mundo.

 

Como a Assessoria Márcia Proença se encaixa nesta jornada?

Ela, com certeza, foi um grande marco na minha vida. Além dos professores serem extremamente competentes e dedicados, eles me desafiam a fazer o que nunca achei que seria possível. Nunca achei que conseguiria correr 10km sem andar, por exemplo. Durante os treinos, os professores estão sempre empenhados em corrigir os alunos, além de sempre apoiar seus atletas com palavras de motivação. Essa gana pela corrida e pela vitória sobre novos desafios tem influenciado minha história de vida. Ser acompanhada por profissionais era o que me faltava para conquistar sonhos que sempre existiram em mim. Tanto em relação às corridas de longa distância, quanto em relação a forma de me relacionar comigo mesma. A energia dos profissionais da equipe MP tem me feito acreditar mais em mim e tem me ajudado a cumprir metas fora das pistas. Minha maior certeza de que irei conseguir correr 21km vem da confiança que deposito nos profissionais da MP Team. Sei que com a preparação deles, irei conseguir realizar esse sonho de correr uma meia maratona.

Compartilhar:

132 Posts

Jornalista, pai e corredor. Vê a corrida como uma ferramente para fazer a vida fazer sentido. Não se preocupa em ser rápido, nem com a chegada. O que importa é o caminho...

Escreva uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *