Morador de Guarulhos-SP, o comprador Paulo Ricardo Alexandrino, 32 anos, é apaixonado pela corrida. Não apenas pela prática do esporte. Mas por tudo que ele é capaz de proporcionar às pessoas. Uma paixão que transborda em cada frase que ele fala sobre o esporte. Atleta da MoveBetter, Paulo tem alguns sonhos, que trabalha duro para um dia realizar. Confira!

“Lembro que quando tinha uns 12 anos eu fazia reforço escolar em uma entidade no bairro do Bom Retiro, onde nasci, na zona norte de São Paulo. Eles tinham uma parceria com o antigo Clube de Regatas Tietê, que na década de 90 era frequentado pela elite paulistana. Lá havia muitas modalidades esportivas e era bem legal. E assim eu tive a oportunidade de praticar atletismo em uma pista de terra, rústica, mas com distância e marcação oficiais. Foi nesta época que a corrida entrou na minha vida.

Anos depois, quando eu já havia parado de praticar, descobri que a minha treinadora na época tinha sido Esmeralda de Jesus, campeã pan-americana em Caracas, em 1983. Ela foi minha maior incentivadora no esporte, principalmente na corrida. Na época só se corria em pista e pouco se pensava em correr na rua. Há muitos anos que eu não a vejo… Desde os meus 15, 16 anos… quando saí de lá.

Lembro que ela pegava muito no meu pé. Eu era travesso e não dava sossego. Mas ela me via correndo e falava que eu era bom: alto com pernas compridas. Sempre tive este incentivo para treinar. Hoje lembro com muito carinho. Por que o amor que tenho pela corrida veio muito dos ensinamentos que recebi. Ela cuidava muito bem de todos, mas tinha aquela atenção especial para os que tinham o dom de correr. E eu era um daqueles. Me destaquei em algumas provas de até três mil metros. Foi uma fase muito boa, pena que depois que saí tive que dar uma parada por causa da vida profissional.

Sempre fui ligado a esporte. Joguei basquete, vôlei, fiz karatê… Mas quando comecei a vida profissional parei tudo. Retornei com a corrida há dois anos, com 30 anos. E ela voltou à minha vida para não sair mais. Redescobri o amor que eu tinha na época de criança. Hoje este amor é incondicional e não dá para medir a diferença que ela faz na minha vida. Passei por fases complicadas, financeira e psicologicamente. Mas a corrida me ajudou muito, especialmente nas crises. Ali a corrida praticamente me dava a mão e me puxava de volta ao eixo. A corrida me motiva a cada dia. 

Voltei a correr por que engordei muito. Cheguei a 110 quilos e passei muito mal no dia seguinte a uma noite de fastfood. Ali eu tive que mudar a minha vida. Tenho um filho pequeno, família… E seu eu não mudasse…

E quando recomecei, não pensava em evoluir nas distâncias. Queria mesmo era perder peso. Era minha motivação inicial e maior. A partir daí fui percorrendo as distâncias. Corria 5k numa praça perto de casa, dando algumas voltas. Mas eu sentia que precisava me motivar, por que só sair de casa para fazer isso não me satisfazia. Então resolvi me inscrever numa prova e aí o tal bichinho da corrida me picou. Comecei a me desafiar correndo distâncias maiores. Dos meus primeiros 5K em 32min, fui para os 7K e depois para os 10K da Night Run no Sambódromo. Fiz em 52 minutos.

Depois foi uma sequência, com distâncias cada vez maiores. Depois destes 10K, corri uma de 15K já no ciclo para a minha primeira meia. Já me sentia preparado depois dos 10K e decidi que ia correr os 21. Comecei a treinar com o app da Nike, mas não conseguia evoluir. Me sentia sempre muito cansado. Foi quando pensei em começar a treinar com um profissional. Através do Canal ‘Corredores’ conheci a MoveBetter. Pesquisei várias assessorias, mas me identifiquei com o Luciano. Começamos a trabalhar e num ciclo de seis meses e treino eu ia fazendo as distâncias que já havia feito, mas com um tempo mais baixo. Fiz a meia e depois continuei fazendo as provas mais curtas. Agora eu treino buscando performance, baixando tempo.

E esta motivação está me fazendo evoluir. Hoje eu corro os 5K para 19 minutos. Corria 10k para 50 hoje faço para 40 min. Minha primeira meia foi para 1h45min. A mais recente foi para 1h31min. Uma evolução excelente. Quero melhorar mais. Tenho metas audaciosas com relação a tempo. Sonho fazer os 5k pra 16min, os 10 para 35min e ano que vem, mantendo-me focado, correr uma meia para 1h25min.

E a MoveBetter tem sido tudo para a minha evolução como atleta. Tinha muita dificuldade para melhorar minha condição cardiopulmonar, dores no joelho e na canela. Corria com base no app da Nike, mas não estava com um profissional. O Luciano e a MoveBetter vieram para me ajudar muito. E junto veio o SisRUN, que se encaixou totalmente na minha jornada. Ter na palma da mão um aplicativo com as prescrições do treinador, como ritmo, cadência, velocidade… A base da assessoria é em Sorocaba e eu moro em São Paulo. Sem contar que minha rotina de trabalho é meio maluca. Então esta facilidade se encaixa perfeitamente. Tudo isso é importante para manter a motivação lá em cima!

É importante manter-me motivado, mesmo não tendo, atualmente, uma prova especial para a qual esteja me preparando. Mas o alvo é a Meia Maratona do Rio em 2020. Talvez a Meia de Porto Alegre também. Tenho meus alvos e os meus sonhos. Um deles é o de correr as majors. Aliás, tenho colado na parede de casa as datas e os objetivos. Se der tudo certo e a motivação de correr uma maratona aparecer, espero começar por Chicago. E já que é para sonhar, por que não sonhar e ser sub3h em Chicago. Se decidir correr, vou trabalhar para isso. Também sonho correr a meia abaixo de 1h25min e um dia subir ao pódio. São Paulo tem corredores amadores muito fortes, que se dedicam muito nos treinos.

Todo amador que busca performance encontra um pouco de dificuldade. Sou casado e tenho um filho de quatro anos. Sei que nessa idade eles sentem falta do pai e hoje tenho que ser muito presente. Às vezes treinos depois das 22h. Tento dar atenção a ele e à minha esposa, mas sou muito focado e me dedico muito ao esporte. Se eu pudesse viver do esporte eu viveria. Mas para poder conciliar e não ter problemas, preciso do apoio da família. E minha esposa me dá todo apoio e suporte. Assim, as dificuldades se tornam pequenas.

O esporte é fantástico. Para alguém que é apaixonado por ele, como eu, faz toda a diferença. Principalmente a corrida de rua. É a modalidade que dá mais motivação para se superar. Correr uma distância de 21K não é algo que se faz sozinho.  As pessoas que estão ao seu lado veem o seu sofrimento, te apoiam e te puxam. É fantástico.

A corrida me dá ânimo pra tudo. Me dá força e disposição. Ela me ensinou a me superar a cada nova distância.  Quando comecei o meu ciclo para a meia, passei pelos 13K, pelos 15K… e eu sabia que ia conseguir. Trago isso para a minha vida. Doenças, situação financeira… a corrida me ensina como superar com os pés nas costas. Se hoje tenho força para correr bem 21 quilômetros e vejo meus amigos correndo 42, por que não posso superar outras coisas? Aplico tudo na minha vida pessoal. Uma das grandes lições da disciplina da corrida foi com a questão financeira. Já tive dificuldades e para resolver apliquei a mesmo disciplina que uso nos treinos e na dieta. Não resolvi todos os problemas, mas estou caminhando para isso. As coisas estão fluindo. Com a corrida eu aprendi que posso cair uma, duas ou três vezes, mas eu levanto e viu até o fim!”

“A corrida me dá ânimo pra tudo. Ela me ensinou a me superar a cada nova distância!”

Compartilhar:

142 Posts

Jornalista, pai e corredor. Vê a corrida como uma ferramente para fazer a vida fazer sentido. Não se preocupa em ser rápido, nem com a chegada. O que importa é o caminho...

Escreva uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *