Profissional de RH, Igor Bazzan tem 35 anos e conseguiu, com a ajuda da corrida, perder alguns quilos e melhorar o seu metabolismo, que hoje se assemelha a alguém de 30 anos. Mas nem sempre foi assim e não foi fácil alcançar este feito. Confira!

“Comecei a treinar com a Runners Rio em 20 de julho de 2020, fazendo os treinamentos funcionais na Vila da Penha. Isso foi logo que começou a flexibilização durante a quarentena. Tomei essa decisão por que fiquei confinado desde março, sem fazer atividades físicas. Na verdade, antes da pandemia eu já estava sem fazer atividades físicas desde outubro de 2019. Às as vezes dava a desculpa para mim mesmo que era falta de tempo.

Em julho de 2020, subi na balança e pesei com 83 quilos, dez acima do que normalmente eu pesava. Após esse revés na balança, decidi me cuidar para preservar minha saúde, ter disposição para as rotinas do dia a dia e principalmente contribuir para minha longevidade. Com essa decisão na mente, busquei um local ao ar livre para fazer as atividades e acabei entrando na Runners Rio.

No início não foi fácil. A cabeça pensava os movimentos dos exercícios, mas o corpo não acompanhava… As primeiras semanas foram difíceis, até o corpo acostumar-se com a nova rotina. A adaptação à nova rotina é a pior parte… Você fica anos ou meses numa rotina sedentária e virar a chave para a rotina de exercícios é muito complicado. A perseverança precisa estar na mente. O apoio dos professores da Runners foi fundamental também para que eu persistisse e continuasse. Sem eles, acho que não conseguiria.

No final de setembro, procurei uma endocrinologista para fazer um acompanhamento, visto que tenho histórico familiar de pai diabético e hipertenso e mãe hipertensa. E eu sabia que precisava melhorar a minha alimentação, porém com orientação para meus objetivos pessoais. Nesta consulta, eu já havia perdido dois quilos.

No início de outubro, eu comecei a praticar corrida de rua com a Runners, adequando minha agenda de treinos com o auxílio deles. Tenho treinos funcionais de segunda à quinta à noite, sendo que terça e quinta corro bem cedinho também, sexta é livre para descanso e alterno entre sábado ou domingo para correr. Todas as atividades são orientadas. Os treinamentos funcionais que antecederam essa minha tomada de decisão de começar a correr, foram fundamentais para que eu pudesse ter um rendimento satisfatório. Na primeira vez que corri, fiz 5km sem muito esforço e terminei bem.

Durante o mês, fiz uma bateria de exames recomendados pela endócrino, que me encaminhou para acompanhamento de uma Nutricionista Esportiva e uma Cardiologista. Consegui agenda da Nutricionista Esportiva no final de outubro, e desde então já estava tentando me reeducar com minha alimentação com as recomendações da Endocrinologista, porém ainda fugindo muito das orientações. Mesmo assim, na hora de subir na balança, eu já estava com 78kg, ou seja, menos 3kg em mais um mês. A nutricionista, porém, me assustou ao realizar um exame que aponta a idade do nosso metabolismo. Como mencionei, tenho 35 anos e meu metabolismo estava igual ao de uma pessoa de 44 anos… A primeira pergunta que fiz a ela foi: “Há como melhorar isto, e se sim, como?” A resposta foi simples: Sim, com reeducação alimentar e atividades físicas. Com esse diagnóstico, fiquei mais decidido ainda a me dedicar à corrida de rua e à minha reeducação alimentar.

Retornei à nutricionista no final de novembro, seguindo a maior parte dos dias as recomendações de hábitos alimentares. O resultado foi muito bom: havia perdido mais quilos. Cheguei a 74kg, e o melhor: Meu metabolismo igual ao de uma pessoa de 30 anos.

Neste período de treinos, consegui reduzir meu peso, ganhar em qualidade de vida, fiz novas amizades, concluí alguns desafios de corrida de rua de 5km, e pretendo até o final de 2021, correr uma meia maratona.

Espero de alguma forma poder ajudar ou influenciar alguém positivamente com esse texto, pois em resumo, nada é impossível quando se tem vontade e orientação para acontecer”.

234 Posts

Jornalista, pai e corredor. Vê a corrida como uma ferramente para fazer a vida fazer sentido. Não se preocupa em ser rápido, nem com a chegada. O que importa é o caminho...

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *