Fernanda Petri mora em Florianópolis e em outubro completa dois anos de corrida. Bancária, cantora, fotógrafa e corredora, ela já foi notícia por aqui ( sisrun.com.br/blog/fernanda-petri ) com uma história para lá de inspiradora. Hoje ela está de volta para contar que seguiu avançando e hoje comemora sua primeira meia maratona trail. Confira!

´´Foi pouco mais de um ano, entre sair do zero e cruzar a linha de chegada da minha primeira meia maratona trail. A prova escolhida foi a Meia Maratona do Vinho em Bento Gonçalves-RS, em fevereiro passado. Para fazer uma prova tranquila, a base de treinos era importante e contei com o apoio do meu treinador Alex Tomé. A planilha consistia em seis treinos por semana: dois de musculação e seis de corrida. Eu recebia semanalmente os treinos pelo SisRun, inclusive o treino de musculação pelo APP, que pra mim é uma novidade, pois comecei usando apenas para assessoria de corrida.

À base de treinos consistente, cheguei ao dia da prova. Calculava completar a prova em cerca de 3h30min, mas no decorrer do percurso fui percebendo que o ritmo estava melhor que o esperado, o que foi me dando gás para ir melhorando sutilmente o pace. Como resultado, cruzei a linha de chegada em 2h54min. Satisfação total e completamente realizada. Meus pais me esperavam na linha de chegada e fizeram a maior torcida, aumentando a emoção que senti naquele momento. Meu primo, que é maratonista profissional e já corre há muitos anos, foi campeão geral da prova neste dia.

Foi muito especial fazer minha estreia numa prova que meu primo, uma inspiração no esporte, foi campeão, em que tive o apoio da família e os amigos vibrando junto.

Por enquanto sigo cumprindo a planilha dê olhos nos próximos desafios: 21km (na verdade o percurso tem 23) da Mountain Do Costão do Santinho, em julho; e os 30 km da Odisseia Ultra Trail Run, em setembro.

A escolha dos desafios é um conjunto de fatores. Gosto mais de provas de montanha do que asfalto. Os cenários do trail running me encantam. A cada curva do percurso, uma nova paisagem deslumbrante se abre no horizonte.

Na Maratona do Vinho o cenário eram os parreirais do Vale dos Vinhedos, com trechos literalmente abaixada sob os parreirais e colhendo um cacho de uva pra comer no caminho.

Correr em meio a natureza renova minha energia e traz um equilíbrio com a vida urbana de segunda a sexta, de morar numa capital e trabalhar 8h diárias em ambiente fechado. Nas montanhas sinto o vento no rosto, o suor no corpo, o sol na pele… estou ansiosa pelos próximos dois desafios e preparando a mente pra encarar uma bateria de treinos que vai se intensificando à medida que aumenta a distância dos desafios.

E abrindo meu coração de atleta amadora… mesclado com a ansiedade de realizar as provas, eventualmente também bate aquela pergunta: “Por que eu fui me inscrever num desafio deste tamanho?” (risos de tensão)

Afinal de contas, conciliar o volume necessário de treinos para este tipo de prova, com o trabalho, o lazer, os amigos, a família… trocar noites de netflix e relax no sofá, por treinar no frio e na chuva, demanda uma disciplina muito grande e nem sempre estamos com a energia lá em cima. O apoio do treinador, da família e dos amigos conta muito nestes períodos de baixa na motivação.

Entre estes desafios, uma prova mais ´´ tranquila“, como os 14K da Costa da Serra Trail Run, aqui em Santa Catarina, é importante para passar uma temporada de 60 dias com uma carga menor de treinos, se comparado a intensidade que sei que será de maio a setembro para os próximos 2 desafios.

Em meio a todos estes desafios, o maior ganho de todos: a saúde! Comecei a correr na pandemia pela preocupação de ser grupo de risco por excesso de peso e uma rotina que não era muito saudável. Incluir o esporte na minha vida em 2020, sair de obesidade grau II e cruzar a linha de chegada de uma Meia Maratona Trail em 2022, foi uma conquista pessoal muito significativa. Se me perguntassem anos antes, eu não imaginaria que hoje estaria subindo tantas montanhas por aí.

Estou feliz por ter dado o primeiro passo dois anos atrás. E fico feliz com o feedback que recebo de pessoas que acompanham esta trajetória e que começaram a correr neste período também, inspiradas pela mudança que venho realizando. É uma troca de energia muito bacana. Que mais pessoas entrem neste movimento e tenham o esporte em sua rotina de vida.“

275 Posts

Jornalista, pai e corredor. Vê a corrida como uma ferramente para fazer a vida fazer sentido. Não se preocupa em ser rápido, nem com a chegada. O que importa é o caminho...

Leave a reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *